Logística

Capital Manufaturado
Mapa de atuação

logistica-icone

TECON (portuária) | 99,9%

MRS (ferroviária) | 18,6%

1 of 10
logistica-icone

MRS (ferroviária) | 18,6%

2 of 10
logistica-icone

MRS (ferroviária) | 18,6%

3 of 10
logistica-icone

Ferrovia Transnordestina Logística | 92,4%

4 of 10
logistica-icone

Transnordestina Logística² (ferroviária) | 47,3%

Ferrovia Transnordestina Logística | 92,4%

 

5 of 10
logistica-icone

Transnordestina Logística² (ferroviária) | 47,3%

Ferrovia Transnordestina Logística | 92,4%

6 of 10
logistica-icone

Ferrovia Transnordestina Logística | 92,4%

7 of 10
logistica-icone

Ferrovia Transnordestina Logística | 92,4%

8 of 10
logistica-icone

Transnordestina Logística² (ferroviária) | 47,3%

Ferrovia Transnordestina Logística | 92,4%

9 of 10
logistica-icone

Ferrovia Transnordestina Logística | 92,4%

10 of 10

Capital Manufaturado Mapa de atuação

Clique nos ícones do mapa para ver nossas operações.

Clique nos ícones do mapa para ver nossas operações.

Notas: 1. Nenhuma operação da CSN está localizada em áreas de terras indígenas delimitadas.

              2. Interligará o terminal ferroviário em Eliseu Martins (PI) aos Portos de Suape (PE) e Pecém (CE), passando por diversas cidades nos estados do Piauí, Pernambuco e Ceará.

logistica-icone LOGÍSTICA Participação
TECON (portuária) | RJ 99,9%
MRS (ferroviária) | MG | RJ | SP 18,6%
Transnordestina Logística² (ferroviária) | CE | PE | PI 47,3%
Ferrovia Transnordestina Logística MA | PI | CE | RN | PB | PE | AL 92,4%

Notas: 1. Nenhuma operação da CSN está localizada em áreas de terras indígenas delimitadas.                                     2. Interligará o terminal ferroviário em Eliseu Martins (PI) aos Portos de Suape (PE) e Pecém
               (CE), passando por diversas cidades nos estados do Piauí, Pernambuco e Ceará.                                     

Logística Integrada

A CSN é uma das poucas empresas brasileiras que possuem logística integrada (rodovia, ferrovia, porto) dando cobertura a suas operações em todo o território nacional.
Cerca de 10% de toda movimentação ferroviária do Brasil são de insumos e produtos da Companhia.

A CSN administra dois terminais no Porto de Itaguaí, no Rio de Janeiro: o terminal de granéis sólidos (Tecar) e o terminal de contêineres (Sepetiba Tecon). O Tecar tem capacidade para exportar cerca de 45 milhões de toneladas de minério de ferro por ano e é por onde chegam o coque e o carvão mineral usados no processo siderúrgico. O Sepetiba Tecon é um porto concentrador de cargas (Hub Port), sendo o maior terminal de contêineres do Rio de Janeiro e um dos maiores do Brasil em seu segmento.

No setor ferroviário, a Companhia conta com participação na MRS Logística, no eixo Minas Gerais – Rio de Janeiro – São Paulo, atendendo clientes chamados heavy haul (cargas de minério, carvão e coque) e clientes de carga geral (cimentos e clínquer). Além disso controla a FTL (Ferrovia Transnordestina Logística), antiga malha nordeste da RFFSA, e a Transnordestina Logística S.A. (TLSA), que vai ligar o sertão do Piauí aos portos de Pecém (CE) e Suape (PE).

Saiba mais

Mudanças Climáticas

Taxa de frequência (CAF + SAF) – Logística

Portos

Ferrovias

Social

A ferrovia Transnordestina atravessa uma das regiões mais culturalmente ricas e desafiadoras do Brasil: o Sertão Nordestino. Em seu caminho, o empreendimento passa por propriedades, assentamentos rurais e por comunidades tradicionais. A Transnordestina busca levar desenvolvimento para o Nordeste brasileiro gerando o menor impacto possível na vida das pessoas, das comunidades e do meio ambiente. Para isso, a TLSA desenvolve programas de prevenção, controle e gestão das interferências das obras nas propriedades ao redor da ferrovia e dos impactos socioeconômicos provocados por essas interferências no modo de vida das famílias e comunidades.

A TLSA é a ferrovia brasileira pioneira na elaboração de um Diagnóstico Territorial completo para compreender a região em que irá operar (81 municípios nos estados do Piauí, Ceará e Pernambuco). Conheça as ações previstas no diagnóstico que potencializam a presença da ferrovia como vetor de desenvolvimento, prevenção de conflitos, identificam as lideranças locais e estabelecem uma linha de comunicação direta com as comunidades do entorno:

Saiba mais